Data : 15/07/2015

Dados sujeitos a alteração sem aviso prévio.

O conteúdo deste material on-line não expressa, necessariamente, a nossa opinião.

Reportar erro

O nosso Carisma Mariano na Igreja de Hoje

8. O nosso Carisma Mariano na Igreja de Hoje
8.1 O Coração do nosso Carisma

cor
Nos capítulos anteriores vimos que cinco devoções principais destacam-se na herança mariana carmelitana: Maria como Padroeira, Mãe, Modelo, Irmã e Virgem Puríssima. Mas provavelmente, a intuição mais básica da Ordem sobre Maria, seja a sua presença. Esta presença, simbolizada na dedicação do oratório no Monte Carmelo, é a forma ou modelo de toda nossa sensibilidade mariana. O sentido da presença de Maria foi cultivado através de uma multiplicidade de exercícios litúrgicos e devocionais, fundamentando a obediência carmelitana à Regra. A devoção à Padroeira dava uma consciência de que todo serviço da Ordem deveria ser oferecido a ela e ela sempre manifestava sua presença como nossa protetora e padroeira. O título de Irmã, com suas implicações familiares, sempre foi indicativo de sua presença. O cultivo da pureza de coração em imitação à Virgem Puríssima trazia Maria para as situações diárias da vida carmelitana. Este sentido da presença de Maria alcançou seu ponto alto na mística mariana de Maria Petyt e de Miguel de Santo Agostinho.
cor2Ainda que todos os títulos marianos encontrados na Ordem Carmelitana sejam também lembrados em outros lugares na Igreja, parece que com a noção da presença estamos bem próximos da consciência mariana fundamental da Ordem. A noção da presença traz um colorido especial, um sabor particular aos textos carmelitanos sobre

Maria, o que não parece tão claro em outras espiritualidades. A conseqüência é que em muitos de nossos autores, a proximidade de Maria é constantemente enfocada, ainda que muitos carmelitas, mesmo alguém como Santa Teresinha de Lisieux, não escrevessem muito sobre ela.