Data : 15/07/2015

Dados sujeitos a alteração sem aviso prévio.

O conteúdo deste material on-line não expressa, necessariamente, a nossa opinião.

Reportar erro

O Carisma na Igreja

8.2 O Carisma na Igreja

igO carisma mariano da Ordem não é propriedade exclusiva nossa. Ele deve ser partilhado com a Igreja. Na verdade, somente quando ele for partilhado, a Ordem descobrirá uma compreensão contemporânea e relevante do carisma. Partilhamos nosso carisma mariano com a Igreja de várias formas: nos escritos, na pregação, nos grupos de oração, em discussão com pessoas em grupo ou individualmente. A resposta dos outros nos ajudará a descobrir nosso carisma, se soubermos partilhar algo que eles consideram valioso. Talvez tenhamos que descobrir uma linguagem ou símbolos mais adequados, tornando nossa partilha mais eficaz. Por sua vez, tudo o que recolhermos da partilha de nossas descobertas e devoções marianas, nos ajudará a refletir e aprofundar nossas próprias conquistas.294
Nosso carisma mariano não deve ser algo fossilizado do passado. Assim como podemos perceber seu crescimento e desenvolvimento através dos séculos, também ele deve estar vivo, desenvolvido a partir do nosso tempo. Se nossa partilha do carisma

mariano deve ser um verdadeiro serviço à Igreja, devemos buscar ouvir profundamente: devemos ouvir nossa tradição; devemos ouvir o que as pessoas estão dizendo em nossa Igreja e em nosso mundo; devemos ouvir o que o Espírito está dizendo à Igreja Católica sobre a Bem-aventurada Virgem,295 assim como ouvir a Igreja Ortodoxa296 e o movimento ecumênico.297 Também devemos estar atentos aos modernos estudos espirituais sobre Maria,298 bem como às apresentações contemporâneas dos dogmas marianos299 além das reflexões espirituais sobre eles.
Um resumo do caminho a ser percorrido encontra-se na grande exortação de Paulo VI, Marialis cultus (1974) onde ele lembra os aspectos Trinitários, cristológicos e eclesiais da devoção à Bem-aventurada Virgem. Ele também nos dá quatro caminhos para a devoção: bíblico, litúrgico, ecumênico e antropológico.301 Como carmelitas daremos melhor atenção ao papa ouvindo a Igreja contemporânea à luz de nossa tradição e reconhecendo aquelas áreas nas quais nosso carisma mariano pode ser mais aprofundado hoje.ig2

Os primeiros capítulos deste livro relembram a nossa tradição. Os últimos, analisando o período entre 1968-1995, mostraram algo da escuta da Igreja e do mundo quando buscamos elucidar nossa identidade e carisma. O sexto capítulo terminou com um sinal de crítica. Sugerimos que, ao ouvirmos a Igreja e o mundo, não conseguimos apresentar totalmente nossa herança mariana como nossa resposta. Os textos elaborados entre 1968-1995 carecem de uma evidência suficiente da presença de Maria, uma das características centrais de nossa história.

8.3 Algumas descobertas contemporâneas
Veremos brevemente algumas das recentes descobertas da reflexão mariana na Igreja.

Deixe uma Resposta

*

captcha *