Data : 21/06/2016

Dados sujeitos a alteração sem aviso prévio.

O conteúdo deste material on-line não expressa, necessariamente, a nossa opinião.

Reportar erro

Cáritas de SP promove terceira edição da Copa de Integração dos Refugiados

refuA Cáritas de São Paulo promove em julho a 3ª edição da Copa de Integração dos Refugiados. O evento reúne times de diferentes nacionalidades e tem o objetivo de desmistificar a questão do refúgio no Brasil. A Copa é organizada em parceria com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e promovido pelos próprios refugiados desde a primeira edição em 2014.
copa-refugiados
As eliminatórias, semifinal e final irão ocorrer, respectivamente, nos dias 10, 16 e 17 julho, no SESC Itaquera, com entrada gratuita.
A 1ª edição da Copa foi inspirada na Copa do Mundo no Brasil. A iniciativa contou com financiamento coletivo online e teve a participação de 16 times. Neste ano, com o aumento no fluxo migratório de refugiados causado pela crise humanitária mundial, serão três dias de jogos e 26 times de nacionalidades distintas competindo, com o tema de “Refugiado, Espaço, Oportunidades”.

Em São Paulo, a Cáritas Arquidiocesana é um dos organismos da Igreja católica que atua junto aos refugiados que chegam à Capital Econômica do Brasil.

A coordenadora da Cáritas, Maria Cristina Morelli, destaca a importância do protagonismo dos refugiados na organização da Copa: “Da primeira edição para esta eles estão mais autônomos. Essa é a intenção da Copa também, que eles sejam protagonistas desse movimento”, acrescentou.
A cada ano aumenta o número de países envolvidos na Copa e isso gera expectativa para a desmistificação das nacionalidades dos refugiados. “Com um leque maior de países jogando, os brasileiros percebem que há conflitos e perseguição em países que não imaginavam. Só ano passado a Cáritas recebeu 87 nacionalidades diferentes solicitando refúgio. Mais seleções trazem um questionamento maior”, afirmou a coordenadora.
No dia da final da Copa, além das disputas de primeiro e terceiro lugar, serão realizadas uma partida feminina e uma entre as crianças refugiadas.
De acordo com dados divulgados recentemente pelo Comitê Nacional dos Refugiados (Conare), o Brasil tem hoje 8.863 refugiados reconhecidos de 79 nacionalidades distintas, sendo que a maior parte deles são sírios, angolanos, colombianos e congoleses da República Democrática do Congo.
Dia Mundial do Refugiado
Neste dia 20 de junho é comemorado o Dia Mundial do Refugiado, a data foi instituída pela Organização das Nações Unidas em 2000. No domingo (19), durante a oração do Angelus, Papa Francisco lembrou a data e falou sobre a atenção que todos os povos devem dar à questão dos refugiados.

A ONU divulgou o número de 65,3 milhões de refugiados no mundo em 2015. Um dado recorde segundo a ACNUR.
“Os refugiados são pessoas como nós, porém a guerra tirou deles casa, trabalho, parentes e amigos. As suas histórias e seus rostos nos convidam a renovar o compromisso para construir a paz na justiça. Por isso, queremos estar com eles: encontrá-los, acolhê-los, ouvi-los para nos tornar juntos artesãos da paz, segundo a vontade de Deus”, disse.
O número de pessoas deslocadas por motivos de conflitos e perseguições em todo o mundo chegou a 65,3 milhões no final de 2015, de acordo com um relatório da ONU apresentado nesta data. Este total é considerado um recorde pela agência da ONU para Refugiados, o ACNUR. 65,3 milhões de pessoas é mais do que a população do Reino Unido, da França ou da Itália.

Fonte: Cáritas Arquidiocesana de São Paulo e Rádio Vaticano.